Casório na praia

digital-art-398342_640

Estávamos sentados no mesmo lugar de sempre, olhando o mar e admirando a lua cheia. A nossa conversa alternava para a beleza da natureza e o amor desenfreado que nos consumia a cada dia que passava. Então, casamos. Na verdade, acho que casamos desde que nos conhecemos, mas foi ali que finalmente admitimos. O universo conspirava ao nosso favor, a paisagem nunca antes tão bela, naquele momento, tudo já parecia ter acontecido mesmo sendo a primeira vez. Não teve surpresa, foi como se soubéssemos desde sempre, o que manteve aquela expressão de felicidade e o ar da graça de cada palavra.

Continuar lendo

Anúncios

Imaginando você

crônicas de relacionamento e amor

Estou sentada no banco da praça da faculdade. E agora, eu vou ficar aqui olhando fixamente para um rapaz, que de longe se parece muito com você. Eu vou me concentrar bastante até que o rosto dele vire o seu. E em questões de segundos te vejo nele. Eu estou me enganando, eu sei, mas é a única forma de amenizar a saudade. Eu posso ver você perfeitamente refletido no desconhecido que cumprimenta uma garota. Percebo que eles são namorados, ficantes, ou sei lá o quê. Eu só sei que eu não paro de imaginar nós dois ali. Ele acaricia o rosto dela, e ela sorri. Eu fico que nem uma estátua e os meus olhos nem piscam direito. É bem capaz de assustar o belo casal com a minha tal admiração.

Continuar lendo

Uma festa sem você

uma festa sem você

Fui a uma festa porque pensei que estivesse lá, porque queria resolver nossas pendências, já que o meu espírito precisava de paz. E peguei fila, gastei o pouco dinheiro que tinha, chamei as amigas e segurei vela de cada uma delas.  Observei o local do show, um ambiente fechado, parecia uma festa para música eletrônica, mas não era. Bem no fundo do estabelecimento tinha uma varanda ou sei lá o quê, eu só sei que fiquei por um bom tempo ali -, pensando em como seria te ver de novo.

Eu me senti uma boba, me arrumei toda, fiz questão de escolher o melhor vestido, como se você fosse notar o que visto ou não. Decidi, então, criar coragem e ir me jogar no meio daquelas pessoas, aguardando pelo show de MPB, que vi você confirmar que gostaria de ver numa página do facebook. Eu estava tentando dar um empurrãozinho nas coisas, afinal se o universo não queria conspirar pela gente, eu mesma iria conspirar ao nosso favor.

Continuar lendo

Os malditos “joguinhos”

Quem inventou esses joguinhos e essas regras da conquista?

Eu não quero ter que me preocupar se estou fazendo certo ou errado. Eu estou interessada e não quero mais ter medo de demonstrar isso. Eu estou cansada de me obrigar a fingir que não gosto tanto assim de alguém quando na verdade eu estou assustadoramente apaixonada. Eu não quero ganhar na competição do mais forte, eu nem quero competir. Eu só quero abraçar a pessoa e dizer que amo sem medo de parecer idiota. Quero demonstrar tudo o que eu sinto e dane-se se soar exagerado!

Continuar lendo

Me desculpe por te esquecer

Admitir que eu te esqueci, que já não o amo foi mais fácil do que admitir para mim mesma que eu te amava. Quando amava.

Me desculpe se eu fui te apagando um pouco a cada dia até que um dia eu já estava acostumada à sua falta. Até parece que nunca o conheci. Nesse dia consegui aposentar a dor, deixar bem guardada numa caixinha bem trancada lá no fundo do coração para ser consumida pela poeira do tempo num lugar bem escondido para proteger meus sentimentos por você de mim mesma. Onde eu não possa consultar e reviver toda aquela dor. Continuar lendo

Eu sou a minha melhor companhia

Durante algum tempo sustentei a ideia de que era necessária a presença de alguém, sejam amigos ou relacionamentos amorosos para se divertir de fato em um lugar como o cinema, por exemplo. Ou seja, meus momentos de felicidade estavam dependentes de outras pessoas, mas esse poder não devia ser exclusivamente meu? E quantas vezes eu deixei de sair ou de fazer algo por acreditar que não tinha companhia? E eu? Será que não sou o bastante? Continuar lendo

Éramos tão diferentes

Éramos tão diferentes… Seu pensamento me irritava e você fazia coisas que eu odiava, no entanto, eu ignorava, às vezes até fechava os olhos porque tudo o que eu não queria era brigar porque me desentender com você parecia o fim.

Eu tentei encontrar explicações para o seu descaso e elaborei desculpas por você só para me convencer de que não é um ser humano tão ruim assim, precisava de um bom motivo para não me sentir mal por te amar.

Continuar lendo